Translate

terça-feira, 5 de maio de 2015

Você nem imagina a força que tem.

Fonte: Humi -https://www.facebook.com/padraohumi

"Que mundo maravilhoso você deseja? 
Onde estará esse mundo maravilhoso com o qual você sonha, olhando para as dores do corpo, as carências do coração, a insuficiência dos recursos?
 Estaria numa ilha à prova de bandidos, corruptos e gente cruel, cega, inconsciente? 
E quando o sol queima ou some e congela o cérebro, onde estará a luz amigável que você tanto deseja?
 Onde vive a natureza sem hecatombes e em que reino ela se esconde? 
Você acha que esse mundo maravilhoso está além do seu próprio Eu Verdadeiro, soberano e imortal? 

Mas, o seu ego também não conhece o caminho para esse soberano que habita seu mundo interior. Quando você fecha os olhos não vê caminho algum, apenas escuridão, porque ainda pensa numa coisa física, visível, tangível. E você morre de medo de atirar-se ao Nada Extraordinário, aliás, nem sabe fazer isso. Você pensa que fazer isso é deixar de ligar para todas as coisas.
Pelo contrário, aí é que nos ligamos a todas as coisas, mas o jeito como passamos a ligar para todas as coisas muda por completo. Tão completamente assim: o que acontece, agora, acontece e você olha, mas deixou de ligar para o seu universo mental, que ressoava “não posso, não tenho, não sei, não consigo, nada dá certo, rodo sem sair do lugar, tenho raiva, desgosto, nada tem graça”.

 Esse disco nunca mais. Você olha diferente, com o seu universo mental ressoando “eu posso, tenho, sei, consigo, dá certo, evoluo, cresço e o único sentimento que reconheço é o Amor, pois vim aqui fazer a diferença em nome do Amor, vibrar o Amor”. O que responderá o seu ego, senão uma ironia: “Amor não paga minhas contas que se acumularam e me vejo devedor. Amor tal não reconheço, aliás, falo dele, mas não sou ele”. Além do disco citado com tantas negações, você segue acrescentando mais e mais negações. A vida é afirmativa, ou você afirma sem negar e persiste nas afirmativas positivas, ou não sai do lugar.

 Pare o carro agora em ponto morto, engate a primeira marcha, saia devagar e comece o trajeto da sua vida, tudo de novo, diferente, sem mais negações. Lá fora, a destruição moral, física, financeira, da natureza, não é o mundo que você deseja, mas o mundo que se vê lá fora foi criado, inicialmente, na mente de cada cidadão. Você ainda tem o seu mundo mental para vigiar, reformar, transformar e enfim, atrair do lado de fora o reflexo daquilo que emanar do lado de dentro. 

Nós somos uma minúscula parcela de cidadãos que, primeiro, reforma seu próprio mundo mental. Se você faz parte dessa minúscula parcela, assuma e construa dentro de si o melhor mundo que puder. Amoroso, gentil, confiante, solidário, responsável, seguro que existem outros como você, fazendo o maior trabalho que existe, primeiramente dentro de si mesmo. Isso sempre se reflete no mundo, quando você não se permite desistir diante das contas a pagar, da saúde a faltar, das relações a fraquejar. Se tudo ruir, permaneça de pé, você veio para experimentar a Força e a Fraqueza, mas no final, você é a Força. Levante-se e ampare seus irmãos, porque eles ainda não sabem disso. 

Seu poder permanece, não somente quando você ampara alguém, mas quando você nunca mais se permite recitar a cantilena da negação, do triste, da vítima, do pobre, do coitadinho. Levante-se e cante a vitória, a força, o ânimo, o amor, porque assim será uma luz iluminando as trevas. Quem disse que você está sozinho nesse barco, irmão? Estamos todos juntos, não parece, mas diante da finitude, estamos todos democraticamente iguais.”
 - Nilsa Alarcon e J. C. Alarcon