Translate

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

UM SONHO POSSÍVEL!


 
EU RECOMENDO ESSE FILME... É MARAVILHOSO!
Baseado em fatos reais, fala de um amor incondicional , não importando quem seja o objeto desse amor.

Um Sonho Possível
Sinopse: O filme conta a história real de Michael Oher, mais conhecido como Big Mike, um jovem sem-teto negro vindo de um lar destruído, que é acolhido por uma família branca de classe alta, que acredita em seu potencial. Com a ajuda do treinador de futebol americano de sua escola e de sua nova família, Oher terá de superar diversos desafios à sua frente, o que também mudará a vida de todos a sua volta.




da esq. para a dir. (Sean Tuohy, Sean Jr., Michael Oher, Leigh Tuohy e Collins)

"Minha família (foto acima) achou que durou uma eternidade, mas pra mim não. Eu sabia que ia ser escolhido, tinha a certeza que entraria no palco... Um dos melhores momentos da minha vida!” disse Michael Oher, OL do Baltimore Ravens, à imprensa após o Draft 2009.

Este é o final de uma longa jornada. Ao mesmo tempo o inicio de grandes conquistas

O caminho para Oher chegar à liga foi árduo, difícil. Uma pequena espera de três horas não iria incomodá-lo. Para quem não tinha nada (literalmente) estar na franquia Ravens é uma grande vitória. Aliás, é mais uma entre tantas outras.

Um menino que não tinha nada... Nem pai, assassinado; nem mãe, viciada em cocaína; nem casa; nem futuro... Vivia pelas perigosas ruas de Memphis (Tennessee); às vezes em albergues; às vezes em casas de amigos. Escola? Passou por 11 em 9 anos. “Quando olho para trás e vejo aonde eu cheguei” diz Oher “É Loucura! Eu não pensava muito nas dificuldades daquele tempo, apenas vivia um dia por vez”.

Se em toda grande história existe um ponto de tensão, um ponto de mudança (clímax), esta também teve:

Foi DEUS que enviou nós até ele. Outra explicação não faz sentido”, diz Sean Tuohy, o agente da transformação na vida de Oher.

Sean, comentarista da rádio local do Memphis Grizzlies (NBA), estava passando de carro com sua mulher, Leigh Anne Tuohy em frente a um ponto de ônibus e viu um garoto de camiseta e bermuda. Era um dia frio e estava nevando. Leigh então forçou seu marido a fazer um retorno e voltar ao ponto de ônibus. Assim que chegaram lá e viram aquele menino sozinho, o tempo parou: “Ela só conseguia chorar... Esta foi a primeira reação quando ela viu Michael, que tinha 16 anos na época. Foi o momento que tudo acabou.”

Exato. Foi o momento que todo o sofrimento acabou para Michael Oher, que passou a fazer parte da família Tuohy. Sean e Leigh tinham dois filhos biológicos – Sean Jr. e Collins – e agora um adotivo.

A sua nova família lhe ensinou tudo: a se vestir, a se comportar, a estudar... Passos importante para a reintegração de Michael dentro da sociedade, já que dentro de casa ele não teve nenhum problema de adaptação: “Quando eu olhei aquele cara gigante dentro de casa eu perguntei: Mãe, o que este cara está fazendo aqui?” diz Sean Jr., que tinha oito anos quando Oher foi adotado. “Minha mãe respondeu que ele era um garoto que precisava de ajuda e que seria como um amigo para mim. Bem, hoje ele é o meu irmão mais velho.
A gente se diverte bastante” diz Collins Tuohy “Estudamos juntos na Ole Miss, somos muito próximos e o vi crescer e amadurecer durante esses anos. Eu o ajudo, ele me ajuda... Depende do dia. Só espero que ele não vá para muito longe.

Baltimore é só o inicio da promissora carreira de Michael Oher na NFL. Ele era cotado para ser uma escolha alta no draft, porém caiu para as últimas posições na primeira rodada. Entretanto, como ele mesmo revelou depois da seleção, Ozzie Newsome, diretor de football dos Ravens, estava na expectativa de pegar ele, o que aconteceu na 23ª posição depois de uma troca feita com o New England Patriots.

Taticamente, Oher é um excepcional OL, que pode jogar tanto de guard como detackle. Sua posição de fato é left tackle, protegendo o QB do melhor DE (“pass russher”), o chamado “lado cego” do quarterback.

The Blind Side: Evolution of a Game (“Lado cego”: A evolução do Jogo). Este é o nome do livro best-seller de Michael Lewis, lançado em 2006, que conta a história de Michael Oher, de sua infância até os tempos universitários em Ole Miss. Traz também a evolução tática da posição left tackle nos últimos 30 anos, destacando Lawrence Taylor, OLB que jogou toda sua carreira nos Giants e contribuiu para o desenvolvimento tático do jogo. Contudo, esta é uma história a parte. Quando o assunto é o livro de Lewis, só se fala de Michael Oher. São documentários em todas as redes de Tv´s, reportagens em revistas e jornais... Se não bastasse tudo isto, mais ainda está por vir.

Um filme sobre a história de Michael Oher, baseado no livro, já está sendo filmado. Tem como produtor Gil Netter ( de "Marley e Eu") e John Lee Hancock (de "O Álamo") na direção. A atriz Sandra Bullock será Leigh Tuohy, mãe de Oher e Tim McGraw (cantor country e ator) será Sean Tuhoy.

O filme tem tudo para ser um sucesso. Assim como a carreira de Oher na NFL. Veja um trecho do The Blind Side: Evolution of a Game que traz a opinião de Tom Lemming, um dos mais respeitados e requisitados “olheiros” do futebol americano:

"Tom Lemming já falou pessoalmente com todos os treinadores da Divisão I da NCAA. Conversou sobre este garoto de Memphis com mais de 100 deles, os que têm um programa de futebol americano da elite. Todos dizem que este é o mais talentoso left tackle desde Orlando Pace”.
Michael Lewis (The Blind Side: Evolution of a Game)

Michael Oher na NFL: de fato, é o final de uma longa jornada. E, com certeza, é o inicio de grandes conquistas.