Translate

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

ACEITAÇÃO



Nós apenas mudamos aquilo que aceitamos, num primeiro momento. Quando não aceitamos algum aspecto da realidade, seja interna ou externa, nós nos dividimos – entre o ideal e o real – o que nos leva a uma dispersão energética. Sem energia não é possível a transformação.

Assim, a não aceitação nos leva a um esgotamento energético, que nos encerra no círculo vicioso da estagnação. O alinhamento lúcido com a realidade é o que nos possibilita sua transcendência.

Eis a força do que Mahatma Gandhi afirmava ser o resumo de todas as orações: Seja feita a vossa vontade. Este processo virtuoso pode ser assim resumido: eu me alinho com a realidade para estar inteiro e com a energia advinda desta integridade, posso atirar-me no processo de transmutação da própria realidade.
Postado por Norma Villares





CAMINHOS PARA A ACEITAÇÃO


Talvez hoje ao acordar e se olhar no espelho, você tenha odiado a imagem que viu refletida... Talvez tenha detestado as rugas e as marcas que as experiências amargas deixaram esculpidas em seu rosto... Talvez tenha sentido um desânimo ao ver a tristeza refletida em seus olhos sem brilho... Talvez você se sentiu mal ao ver a expressão cansada e abatida de alguém tão desiludida com a vida... Talvez você não se conteve e viu uma lágrima rolar lentamente pela sua face contraída... Talvez você tenha se sentido culpada e, desesperada, blasfemou por ser esta pessoa...
Meu amigo, minha amiga, não se deixe iludir, pois a imagem que você viu no espelho não é o seu verdadeiro Eu. A imagem refletida no espelho não é a pessoa que você é, mas apenas a imagem momentânea de como você está se sentindo.
Tire a casca e o invólucro do que você viu... Jogue fora o entulho acumulado durante anos e, com os olhos da alma, veja a sua verdadeira imagem... Veja toda a sua beleza interior que existe dentro de você... Você é a maior criação divina... Você é o maior milagre de Deus... Você é um ser que nasceu para amar e ser amado e não para estar se odiando... Você sobreviveu, aprendeu e amadureceu com as experiências amargas... Remova a tristeza que não é sua, mas apenas está com você... Deixe a alegria genuína de sua criança interior realçar o brilho radiante dos seus olhos... Pegue um pouco da esperança infinita que ainda brota dentro de você, misture com uma dose de otimismo e limpe toda a desilusão que mancha seu coração.
Em vez de ficar blasfemando, dê graças a Deus por ser a pessoa maravilhosa que você é. Você é a centelha divina, feita à imagem e semelhança de Deus. Você tem o poder de amar e de ser amado, de dar e de receber, de sorrir e de se alegrar, de fazer escolhas, de aprender e de perseverar. Você tem a força interior para realizar os seus sonhos. Você tem todos os recursos de que você precisa para vencer os obstáculos e alcançar o tão sonhado sucesso. Apenas descubra todos esses recursos que existem dentro de você e acredite mais em você.
Perceba que, na sua essência, você é uma pessoa que tem paz interior, compaixão e plenitude. Você está conectado com o Criador e é parte integrante do Todo, do Universo.
Por tudo isso, meu amigo, minha amiga, levante a cabeça, ponha os ombros para trás, respire fundo, coloque um sorriso no lugar do lamento e veja e sinta a pessoa maravilhosa que você é. Simplesmente, seja mais você... Muito MAIS VOCÊ...



Mas o que significa auto-aceitação para você?


Em primeiro lugar, auto-aceitação significa ter consciência da pessoa que você é, com todas as suas qualidades e todas as suas deficiências e limitações. Significa ter um auto-conhecimento de si mesmo, com a percepção de sua imagem aberta, secreta, cega e desconhecida.


Em segundo lugar, auto-aceitação significa concordar, consentir, ter como certo que todas as características positivas e negativas que você listou e tomou consciência fazem parte da sua pessoa, quer você goste ou não.


Em terceiro lugar, auto-aceitação implica uma atitude de afeto, de boa vontade consigo mesmo, apesar da evidência das características que conscientemente você não gosta em você. Isso pode ser possível se você tomar consciência de todas as qualidades que você possui e dos quais se orgulha e lhe dão a certeza de que você tem valor, apesar de algumas características de que você não gosta em si mesmo.


Se você não se aceitar do jeito que você é, sua auto-estima estará comprometida. Normalmente, nos casos mais brandos de dificuldade de auto-aceitação, podemos não aceitar apenas alguns aspectos de nossa personalidade que não gostamos ou não toleramos em nós mesmos. Porém, mantemos o sentimento de afeto e de aprovação por nossa pessoa, um sentimento de egoismo no sentido mais nobre. Nos casos mais profundos de falta de auto-aceitação, com uma intensa rejeição da pessoa que se é, podem resultar na anulação total da auto-estima, podendo nos levar a um sentimento extremo de anulação do próprio amor à vida.


Em quarto lugar, a auto-aceitação envolve uma atitude de auto-reponsabilidade. Isso significa que temos plena consciência de que somos os principais responsáveis pelas coisas que acontecem em nossas vidas e que somos responsáveis pelas escolhas que fazemos e que moldam a pessoa que somos e podemos ser.

Como facilitar a auto-aceitação


Quando a pessoa não se tolera, ou mais do que isso, quando ela se odeia e se recrimina, realmente, torna-se difícil a auto-aceitação. É a mesma dificuldade de se lidar com uma pessoa que odiamos e da qual temos ressentimentos. Nesses casos, procuramos evitar e se afastar desta pessoa, para não sentirmos as sensações negativas que temos ao estar em sua presença. Porém, quando esse sentimento de rejeição e de ódio se volta contra nós mesmos, não podemos nos afastar nem ignorar a nós mesmos, já que estamos umbilicalmente conectados, independente de nossa própria vontade. Então, a única alternativa que nos resta é enfrentar o problema de frente e procurar fazer as pazes e viver amigavelmente com esta parte de nós que não gostamos nem toleramos.


Podemos até contestar e mudar de forma consciente algumas formas de pensamento e atitudes com que não concordamos, na hora de educar nossos filhos. Porém, na hora de tratarmos a nós mesmos, tendemos a nos tratar como os nossos pais nos tratavam.Isso se traduz no nosso diálogo interno, no tom de voz ácido, crítico e, algumas vezes debochado com que nos tratamos e que fazem desabar a nossa auto-estima. Aquela vozinha chata que diz: “você não vai conseguir... você nunca faz nada certo... você é incompetente... você é boba... isso não é para você... etc”. Uma voz parecida com a das pessoas adultas que nos criticaram no passado.As pessoas que apresentam dificuldades de auto-aceitação são pessoas que possuem uma voz interior muito crítica e desestimuladora. Uma voz interior que faz julgamentos e comentários negativos de si mesma, num tom de voz sarcástico e desagradável, o que acaba por piorar a sua percepção de si mesma e implode a sua auto-estima.
Construindo um diálogo interior positivo


Para conseguir a auto-aceitação, é preciso mudar o diálogo com a sua voz interior, tornando-o mais positivo e amistoso. É preciso negociar uma forma que transforme sua voz interior crítica e depreciativa, numa voz mais amiga e incentivadora. É preciso transforma-la numa voz aliada que ajude a gerar a auto-aceitação e a fortalecer a auto-estima e não o contrário.


Para que esta negociação tenha êxito, é preciso manter um ambiente de respeito e cordialidade. Uma negociação não deve ser vista como um processo de disputa entre oponentes, onde alguém tem que perder para o outro levar vantagem. Uma negociação tem o propósito de obter uma parceria onde todas as partes possam ter ganhos e interesses comuns satisfeitos. Se estas condições não estiverem presentes, provavelmente sua voz interior não vai estar interessada em negociar com você.
Compreendendo o propósito da sua voz interior

A Neurolinguística tem um pressuposto que diz que todo comportamento tem uma intenção positiva para a pessoa que o pratica. O primeiro passo para manter um diálogo amistoso com a sua voz interior é compreender a intenção positiva dela ao ser tão crítica com você. Escolha um local isolado onde possa fazer esta prática sem ser interrompido.
Inicialmente, num tom de voz bastante amigável, agradeça à sua voz interior por ser tão poderosa e por se preocupar tanto com o seu bem estar. A seguir, pergunte a ela qual a sua intenção positiva e o seu propósito ao ser tão crítica e depreciativa com você. Ouça a sua resposta, que deve vir diretamente da sua essência. Algumas vezes, a resposta vem imediatamente, outras vezes pode demorar um pouco. Escute com paciência.


Ouça a resposta de sua voz interior. O que ela lhe diz? Algumas respostas possíveis: “quero proteger você... quero evitar que você cometa erros... quero evitar que você se sinta constrangido... estou tentando ajudar você a não dar vexame diante dos outros... etc”. Ouça as razões apresentadas. Perceba que, na verdade, a sua voz interior quer lhe ajudar e não prejudica-lo, apesar de você não gostar da forma como ela se expressa.


Agora que você compreende a intenção positiva e o propósito de sua voz interior, agradeça a ela por ser tão prestativa ao procurar dar o melhor para o seu próprio bem estar.
Negociando com a sua voz interior


O próximo passo é negociar um acordo com a sua voz interior, algo que possa atender ao propósito e ao ganho positivo dela e que, ao mesmo tempo, seja ecológico e coerente com o seu bem estar emocional. Delicadamente, pergunte a ela se ela estaria disposta a experimentar novas formas de se comportar que sejam tão disponíveis e tão boas ou melhores do que o comportamento atual. Diga à sua voz interior que ela tem a liberdade de voltar a ter o comportamento atual, caso as novas alternativas não sejam tão satisfatórias. Agradeça novamente pela sua cooperação.


Neste ponto, peça o auxílio da sua parte criativa, aquela parte que sempre cria novas idéias e alternativas sempre que você precisa lidar com os desafios da vida. Peça a esta parte que crie três ou mais opções de comportamentos tão boas ou melhores que possam atender tanto ao propósito de sua voz interior e que também possam fortalecer a sua auto-aceitação. Agradeça pela cooperação.

Selecionando as melhores alternativas


Peça para sua voz interior selecionar as melhores alternativas sugeridas pela sua parte criativa e que ela considere tão boas ou melhores que seu comportamento atual e que atendam ao seu propósito. Negocie com ela as opções que também satisfaçam você, de modo a ajudar a sua auto-aceitação e, consequentemente, a fortalecer a sua auto-estima. A sua voz interior pode escolher aconselhar e incentivar ao invés de criticar; elogiar e encorajar em vez de depreciar. Ela também pode usar um tom de voz mais agradável e amigável, uma forma de falar mais compreensiva e motivadora. Negocie todas as possibilidades de modo a satisfazer ambas as partes. Ao final da negociação, agradeça novamente à sua voz interior.
Consolidando a negociação


Para consolidar o acordo, imagine a parte responsável pela sua voz interior na palma de uma das suas mãos e o seu “eu” na palma da outra mão. Agradeça a ambas as partes pelo esforço em chegar a um acordo. Lentamente, vá aproximando as duas mãos até que se juntem e se integrem uma na outra. Perceba essa integração ocorrendo. A seguir, leve as duas mãos unidas para o seu coração e sinta a integração ocorrendo dentro de você. Agradeça novamente.


Faça o teste ecológico


Faça um teste de como seria o resultado do novo conjunto de comportamentos numa situação futura em que esses novos comportamentos seriam úteis. Sinta como você reage à situação. Faça os ajustes necessários até ficar satisfeito. Agradeça à sua voz interior pelo êxito na negociação. Diga-lhe o quanto você a aprecia e como gostaria que ela sempre lhe ajudasse, principalmente nos momentos mais difíceis.
Aplicando os novos comportamentos


Aplique os novos comportamentos na prática e perceba como mudam suas reações diante dos desafios da vida. Pratique sempre até que se tornem hábitos. Toda vez que perceber que sua voz se torna novamente crítica e depreciativa, lembre-a do acordo feito e peça-lhe para ser sua amiga e conselheira. Agradeça novamente a ela.

Considerações finais


A auto-aceitação é o resultado do nosso próprio julgamento a respeito de nós mesmos. É a auto-avaliação que fazemos através de nosso crítico interior, que se expressa através da nossa voz interior. A única maneira de mudarmos a percepção que temos de nós mesmos é mudando a forma como fazemos a nossa auto-crítica. Isso só nós podemos fazer. A auto-aceitação é apenas o primeiro passo para podermos iniciar o nosso processo de autodesenvolvimento. Sem auto-aceitação, dificilmente estaremos motivados para iniciar essa importante caminhada em busca da excelência. Reflita bem sobre isso...


Lembre-se de que você é perfeito através de sua imperfeição. Aceite você do jeito que você é. Veja suas deficiências e limitações como ponto de partida para mudanças, visando seu aperfeiçoamento e evolução com ser humano, e não como bloqueadores de suas realizações e como justificativas para seus fracassos. Eu já aceito e amo você apenas por ter lido este texto até o final.


Queria ressaltar que a prática aqui apresentada é apenas uma entre várias possibilidades. Se o seu desconforto emocional persisitir, procure ajuda especializada.
SaKAIZEN Sakurai
Aprendiz do comportamento humano


P.S. – As vezes fico me questionando quantas pessoas efetivamente se beneficiam do conteúdo e dos exercícios apresentados nos textos desta coluna. Estimo que aproximadamente 5% das pessoas que lêem as matérias praticam e colocam em prática aquilo que é transmitido. Talvez 95% das pessoas não o fazem. Por que a grande maioria não aproveita a oportunidade e deixa de montar o cavalo selado que passa na sua frente? O que é preciso fazer para que a equação se inverta e que 95% das pessoas se beneficiem dos textos? Esta é uma pergunta que cada um deve responder. Agradeceria muito se pudesse receber a resposta de cada um de vocês.