Translate

domingo, 16 de outubro de 2011

Quando desejar alguma coisa, concentre-se nela



por El Morya Luz da Consciência - nucleo.elmorya@veragodoy.com

O carma é sempre o responsável pelos nossos sofrimentos? Não. Nós somos! Mas, como agir para não sofrer ou sofrer menos? Para não fazer outras pessoas sofrerem. Quando Buda disse: Você é aquilo que pensa, quis dizer também: e pelo que te acontece! E é difícil entender essa frase quando sofremos. Ah... o carma é o culpado! Se somos aquilo que pensamos e nossos pensamentos mudam minuto a minuto, podemos concluir que estamos em constante mutação? Nós temos a tendência a acreditar que aquilo que pensamos é a verdade e, assim, mantemos as mesmas crenças e pensamentos por muito tempo,

No Livro "O Carma do Agora", Martin Schulman diz assim: "O homem constantemente procura ver a si mesmo através dos olhos dos outros. Curiosamente, quanto mais o faz, menos ele é verdadeiramente ele mesmo. Se esse indivíduo continua a viver sua vida dessa maneira, é muito difícil conhecer seu carma".

Schulman diz que a lei de ação e reação existe dentro de cada indivíduo e somente quando isso se equilibra ele encontra a si mesmo. Mas, muitas pessoas passam uma vida inteira reagindo aos acontecimentos que vivem e nunca param para determinar o que realmente é importante. Falta-lhes clareza em suas metas, muito apego ao passado e, alguns pior, apegam-se a acontecimentos de vidas passadas e acabam vivendo os resultados da Lei de Causa e Efeito sem perceber que podem, se quiserem modificar os resultados dela em suas vidas. No Universo, não existe acaso e podemos dizer que existem 3 motivos para passarmos por situações desgastantes:
1- Resultado de ações de vidas passadas. 2- Resultado de comportamentos presentes. 3- São experiências que os planos superiores nos reservam, para que eduquemos nossos comportamentos emocional e intelectual.
A Lei de Causa e Efeito envolve resultados a logo e curto prazo. Existe no universo um relógio cósmico que não pode ser negligenciado sem prejuízo para o todo maior. Os seres humanos mais despertos à recepção de idéias, os chamados "canais", são preparados no plano interno, e, para isso, precisam estar atentos à urgência do momento e promoverem uma mudança íntima, que começa com o domínio dos pensamentos e ações, o que significa viver dentro das leis de maneira positiva e caminhar para mestria. Temos a liberdade de escolher como iremos viver; como pensar, agir e sentir, assim manifestamos na vida só aquilo que aceitamos. Essa compreensão liberta o outro, pois assumimos total responsabilidade. Aqui entra a importância dos nossos pensamentos corretos: a mente cria e quando as situações de vida não coincidem com nossas metas, a nossa capacidade criativa está funcionando de maneira diversa consciente e inconscientemente. Ex: minha razão sabe que mereço levar uma vida plena e feliz, mas no meu inconsciente, eu tenho medo e culpa ou não me responsabilizo, culpando o outro.

Como identificar isso? Encarando os medos, os desejos, as más ações, examinando os fatos cuidadosamente e aceitando. Só assim criamos outra realidade conscientemente. Todas as emoções que experimentamos são reais, o problema é quando elas fogem do nosso controle, gerando ansiedade, insônia, etc., acabam consumindo a nossa mente. São estes estados emocionais e mentais que atraem acontecimentos que tentamos evitar e ajudam a perpetuar as experiências, gerando aquilo que chamamos "situações repetitivas" e as confundimos com carma. Nossa mente é poderosa e não nos damos conta disso
O Yogue Raman era um verdadeiro mestre na arte do arco e flecha. Certa manhã, ele convidou seu discípulo mais querido para assistir uma demonstração do seu talento. O discípulo já vira aquilo mais de cem vezes, mas - mesmo assim - resolveu obedecer ao mestre. Foram para o bosque ao lado do mosteiro: ao chegarem diante de um carvalho, Raman pegou uma das flores que trazia em seu colar, e a colocou em um dos ramos da árvore. Em seguida, abriu seu alforje, e retirou três objetos: seu arco de madeira, uma flecha, e um lenço branco. O yogue, então, posicionou-se a uma distância de cem passos do local onde havia colocado a flor. De frente para o seu alvo e pediu que seu discípulo o vendasse com o lenço bordado. O discípulo fez o que o mestre ordenara. "Quantas vezes você já me viu praticar o nobre e antigo esporte do arco e flecha?" - perguntou. "Todos os dias", respondeu o discípulo. "E sempre o vi acertar na rosa, a uma distância de trezentos passos".

Com seus olhos cobertos pelo lenço, o yogue Raman firmou os seus pés na terra, distendeu o arco com toda a sua energia - apontando na direção da rosa colocada num dos ramos do carvalho - e disparou. A flecha cortou o ar, provocando um ruído agudo, mas nem sequer atingiu a árvore, errando o alvo por uma distância constrangedora. "Acertei?" - disse Raman, retirando o lenço que cobria seus olhos. "O senhor errou - e por uma grande margem" respondeu o discípulo. "Achei que ia mostrar-me o poder do pensamento, e sua capacidade de fazer mágicas..."
"Eu lhe dei a lição mais importante sobre o poder do pensamento", respondeu Raman. "Quando desejar uma coisa, concentre-se apenas nela: ninguém jamais será capaz de atingir um alvo que não consegue ver".
Pensamentos têm que ser direcionados corretamente e, na maioria das vezes, a boca fala uma coisa e a cabeça pensa outra. Sem integração, o pensamento é igual a uma carroça onde os cavalos vão cada um para um lado. Aquilo que chamamos carma, muitas vezes, nada mais são, que "hábitos adquiridos", que nublam, corroem, distorcem os pensamentos. São os conflitos que tiram nossa harmonia e nos afastam de nossas metas. Purificar a mente enevoada, através do aprendizado na matéria, treinando ouvir o corpo físico, as emoções e os pensamentos, para então liberá-los, é a chave para felicidade.
Vera Godoy

Texto revisado